Agenda
Artigos
Boletim
Campanhas
Enquetes
Notícias
Press Releases

 

 
 

 
Principal > Comunicação > Notícias

notícias

Dentro da campanha da Phillip Morris para sabotar a CQCT (13/7/2017)
Reuters

http://bit.ly/PhillipMorrisCQCT

A maior empresa de tabaco de comércio aberto do mundo está implantando seus vastos recursos contra os esforços internacionais para reduzir o tabagismo. Os documentos internos descobertos pela Reuters revelam detalhes da operação secreta.

NOVA DELHI / LAUSANNE, Suíça - Um grupo de executivos da empresa de cigarros ficou no lobby de um monótono centro de convenções perto de Nova Deli em novembro passado. Eles estavam esperando que as credenciais entrem na conferência global do tratado de tabaco da Organização Mundial da Saúde, uma destinada a freir o tabagismo e combater a influência da indústria de cigarros.

Os funcionários do tratado não os queriam lá. Mas ainda assim, entre aqueles alinhados na esperança de entrar eram executivos da Japan Tobacco International e British American Tobacco Plc.

Havia um grande nome faltando no grupo: Philip Morris International Inc. Um representante de Philip Morris disse mais tarde à Reuters que seus funcionários não apareceram porque a empresa sabia que não era bem-vindo.

Na verdade, executivos da maior empresa de tabaco de capital aberto haviam voado de todo o mundo para Nova Deli para a reunião anti-tabaco. Desconhecido para os organizadores de tratados, eles ficavam em um hotel a uma hora do centro de convenções, trabalhando a partir de uma sala de operações lá. Philip Morris International logo realizaria reuniões secretas com delegados do governo do Vietnã e outros membros do tratado.

O objetivo dessas atividades clandestinas: a Convenção-Quadro da OMS para o Controle do Tabaco , ou o FCTC, um tratado destinado a reduzir o tabagismo globalmente. A Reuters descobriu que Philip Morris International está executando uma campanha secreta para bloquear ou enfraquecer as disposições do tratado que salvam milhões de vidas ao reduzir o uso do tabaco.

Em um documento interno, a empresa diz que apoiou a promulgação do tratado. Mas Philip Morris passou a vê-lo como um "trem de fugas regulatório", conduzido por "extremistas anti-tabaco" - uma descrição contida no documento, uma apresentação no PowerPoint 2014 .

Os documentos confidenciais da empresa e entrevistas com atuais e antigos funcionários da Philip Morris revelam uma ofensiva que se estende das Américas para a África para a Ásia, desde os campos de tabaco hardscrabble até os corredores do poder político, no que pode ser um dos mais amplos esforços de lobby corporativos existentes.

Os detalhes desses planos são descobertos em um cache dos documentos de Philip Morris revisados ​​pela Reuters, uma das maiores fugas da indústria do tabaco. A Reuters está publicando uma seleção desses documentos em um repositório pesquisável, The Philip Morris Files .

Entre 2009 e 2016, as milhares de páginas incluem e-mails entre executivos, apresentações em PowerPoint, documentos de planejamento, ferramentas políticas, planos de lobby nacionais e análises de mercado. Tomados como um todo, eles apresentam uma empresa que tem focado seus vastos recursos globais em traçar o tratado mundial de controle do tabaco.

Philip Morris trabalha para subverter o tratado em vários níveis. Destina-se às conferências da FCTC, onde os delegados se reúnem para decidir sobre as diretrizes anti-tabagismo. Também faz lobby no nível do país, onde a composição das delegações da FCTC é determinada e as decisões dos tratados são transformadas em legislação.

Excertos dos arquivos Philip Morris

A Reuters descobriu milhares de páginas de documentos internos da Philip Morris International. Esses trechos mostram as táticas da empresa para combater a Convenção-Quadro sobre o Controle do Tabaco, ou a FCTC, um tratado destinado a reduzir o tabagismo em todo o mundo. (Alguns documentos incluem destaque pela Reuters, alguns nomes foram redigidos.)


1. Um slide de uma apresentação dos negócios corporativos de Philip Morris em 2014 sobre a FCTC, o tratado global contra o tabagismo. A CoP5 e a CoP6 referem-se às reuniões bienais dos países tratados em 2012 e 2014. "ENDS" refere-se aos cigarros eletrônicos.

"Nosso negócio cotidiano"

A resposta completa de Philip Morris International aos resultados da Reuters:
"Como uma empresa em uma indústria altamente regulamentada, falar com os governos faz parte do nosso negócio cotidiano. Nós apoiamos publicamente a criação da convenção-quadro sobre controle do tabagismo, foram envolvidos no processo de consulta antes da sua criação, mas não foram convidados a contribuir para discussões sobre medidas de controle do tabagismo. Com o conhecimento do nosso produto, a experiência técnica e a nossa visão para substituir os cigarros por alternativas menos nocivas, acreditamos que temos algo a contribuir e buscamos uma série de oportunidades legítimas para expressar nossas opiniões aos tomadores de decisão. O fato de a Reuters ter visto emails internos discutindo nosso envolvimento com os governos não faz essas interações inadequadas. Acreditamos que a participação ativa de especialistas em saúde pública, formuladores de políticas, cientistas e indústria é a melhor forma de abordar eficazmente as normas do tabaco no interesse genuíno do bilhão de fumantes de hoje.
É nossa esperança que, adiante, todos os formuladores de políticas de tabaco convidem um diálogo aberto e, enquanto isso, continuaremos a falar com os governos sobre políticas que possam abordar o impacto do tabagismo na saúde. " - Tony Snyder, Vice-Presidente de Comunicações, Philip Morris International

Os documentos, combinados com relatórios em 14 países do Brasil para Uganda para o Vietnã, revelam que o objetivo de Philip Morris é aumentar o número de delegados nas convenções de tratados que não são de ministérios da saúde ou envolvidos em saúde pública. Isso está acontecendo: uma análise da Reuters dos delegados à conferência bienal da FCTC mostra um aumento desde a primeira convenção em 2006 no número de funcionários de ministérios como comércio, finanças e agricultura para quem as receitas do tabaco podem ser uma prioridade maior do que preocupações com a saúde.

Philip Morris International diz que não há nada impróprio sobre seus executivos envolvidos com funcionários do governo. "Como uma empresa em uma indústria altamente regulamentada, falar com os governos é parte do nosso negócio cotidiano", disse Tony Snyder, vice-presidente de comunicações, em um comunicado em resposta às descobertas da Reuters. "O fato de a Reuters ter visto emails internos discutir o nosso envolvimento com os governos não torna essas interações inadequadas".

Em uma série de entrevistas na Europa e na Ásia, o executivo da Philip Morris, Andrew Cave, disse que os funcionários da empresa estão sob instruções rigorosas para obedecer tanto as políticas de conduta da empresa quanto as leis locais nos países onde operam. Cave, diretor de assuntos corporativos, disse que, enquanto Philip Morris discorda de alguns aspectos do tratado do FCTC e consulta os delegados fora do local durante suas conferências, as delegações "tomam suas próprias decisões".

"Somos respeitosos pelo fato de que esta é sua semana e seu evento", disse Cave em uma entrevista em Nova Deli, quando as partes no tratado se conheceram em novembro passado. Perguntado em uma entrevista anterior, se Philip Morris conduz uma campanha formal visando as conferências bienais do tratado, a Cave deu um "no" plano.

Quando os delegados do FCTC se reúnem, as vidas estão no equilíbrio. As decisões tomadas nas conferências durante a última década, incluindo a proibição de fumar em locais públicos, estão salvando milhões de vidas, de acordo com pesquisadores do Georgetown University Medical Center.

Entre 2007 e 2014, mais de 53 milhões de pessoas em 88 países deixaram de fumar porque essas nações impuseram medidas rigorosas contra o tabagismo recomendadas pela OMS, de acordo com o estudo de dezembro de 2016. Por causa do tratado, estima-se que 22 milhões de mortes relacionadas ao tabagismo serão evitadas, disseram os pesquisadores.

De acordo com a OMS, porém, o uso do tabaco continua a ser a principal causa evitável de morte - e até 2030 será responsável por oito milhões de mortes por ano, acima de seis milhões agora.

Houve júbilo entre os defensores anti-tabagistas quando o tratado foi adotado em 2003. O tratado, que entrou em vigor em 2005, permitiu pressionar por medidas que pareciam radicais, como os bares sem fumo. Aproximadamente 90% de todas as nações se juntaram. Um grande obstáculo é os Estados Unidos, que assinaram o tratado, mas ainda não o ratificaram.

Desde que a FCTC entrou em vigor, persuadiu dezenas de nações a aumentar os impostos sobre os produtos do tabaco, aprovar leis proibindo fumar em lugares públicos e aumentar o tamanho das advertências de saúde em pacotes de cigarros. Os membros do Tratado se reúnem a cada dois anos para considerar novas disposições ou fortalecer os antigos em uma reunião chamada Conferência das Partes, ou COP, que se reuniu pela primeira vez em 2006 em Genebra.

Mas um relatório da FCTC mostra que a implementação de seções importantes do tratado está paralisada. Não houve mais progressos na implementação de 7 de 16 artigos de tratados "substantivos" desde 2014, de acordo com um relatório da Secretaria da CQCT em junho do ano passado.


Uma razão chave: "A indústria do tabaco continua a ser a barreira mais importante na implementação da Convenção".

Na verdade, a indústria do tabaco resistiu à regulação mais apertada. Houve apenas um ligeiro declínio de 1,9 por cento nas vendas globais de cigarros desde que o tratado entrou em vigor em 2005, e mais pessoas fumaram diariamente em 2015 do que uma década antes, mostram estudos. O Índice Global de Tabaco da Thomson Reuters, que acompanha as ações de tabaco, aumentou mais de 100% na última década, em grande parte devido aos aumentos de preços.

"Algumas pessoas pensam que com o tabaco, você ganhou a batalha", disse o ex-ministro finlandês da Saúde, Pekka Puska, que presidiu um comitê da FCTC no ano passado. "De jeito nenhum", disse ele. "A indústria do tabaco é mais poderosa do que nunca".

Com 600 executivos de assuntos corporativos, de acordo com um email interno de novembro de 2015, Philip Morris possui uma das maiores armas corporativas do mundo. Esse exército e US $ 7 bilhões em lucro líquido anual, dão a Philip Morris os recursos para dominar a FCTC.

O tratado é supervisionado por 19 funcionários em um escritório da Secretaria hospedado pela OMS em Genebra. A Secretaria gasta em média menos de US $ 6 milhões por ano. Mesmo quando reforçada por grupos anti-tabagismo, a Secretaria está superada. Seu orçamento para este ano e no ano passado para apoiar a cláusula do tratado sobre a luta contra a influência da empresa de tabaco é inferior a US $ 460,000.

Vera Luiza da Costa e Silva, chefe da Secretaria do Tratado do FCTC, é a pessoa encarregada de impedir que a indústria neutralize o acordo.

Em duas entrevistas em seu escritório em Genebra, da Costa e Silva, médica médica que detém um doutorado em saúde pública e com uma raia rosa tingida no cabelo, explicou por que a FCTC proibiu o comparecimento de qualquer membro do público na conferência bienal de 2014 em Moscou. A proibição veio em resposta aos esforços dos executivos do tabaco para usar os crachás públicos para entrar no local, disse ela, acrescentando que os representantes do setor começaram a emprestar emblemas dos delegados que eles sabiam para entrar.

"É uma guerra real", disse da Costa e Silva.


TARTARRE DO TRATADO: Vera Luiza da Costa e Silva, chefe da Secretaria do tratado do FCTC, descreve sua batalha com a indústria do tabaco como "uma guerra real". Da Costa e Silva é vista aqui nas Nações Unidas em Genebra. REUTERS / Denis Balibouse
"Algumas pessoas pensam que com o tabaco, você ganhou a batalha. De jeito nenhum ... A indústria do tabaco é mais poderosa do que nunca ".
A ex-ministra da Saúde da Finlândia, Pekka Puska, que presidiu um comitê da FCTC no ano passado
Mas ela tinha apenas uma imagem parcial das forças variadas contra ela. Ela não estava ciente do fato de que Philip Morris tinha uma grande equipe operando em toda a convenção em Moscou, ou os detalhes de suas atividades em Nova Deli em novembro passado.

"Isso é tão nojento. Estas são as forças contra as quais temos que trabalhar ", disse Costa Costa em Silva, depois de ter sido informado sobre os documentos de Philip Morris. "Eu acho que eles querem implodir o tratado".

A idéia de um tratado global de tabaco havia sido discutida entre os defensores da saúde desde pelo menos 1979, quando um comitê da OMS sugeriu a possibilidade. Gro Harlem Brundtland, ex-primeiro ministro da Noruega, que se tornou diretor-geral da OMS em 1998, aconteceu.

Ela foi ajudada pela indignação em relação aos documentos que surgiram como parte do acordo de acordo de mestre 1998, em que as quatro maiores empresas de tabaco dos EUA concordaram em pagar mais de US $ 200 bilhões em 46 estados dos EUA. As comunicações internas mostraram que os executivos do tabaco mentiram há anos sobre o conhecimento sobre a natureza mortal dos cigarros.


TREATY MAKER: Gro Harlem Brundtland foi fundamental para promover o primeiro tratado global contra o tabaco quando era diretor-geral da OMS. REUTERS / Pierre Virot
Um documento de 1989 revelou o plano de uma empresa para lutar contra ameaças à indústria. "O impacto e a influência da OMS são indiscutíveis", diz o documento. Continuou a contemplar "contramedidas destinadas a conter / neutralizar / reorientar a OMS".

Essa empresa era Philip Morris.

Em 2008, a Altria Group Inc dividiu seu negócio Philip Morris. Philip Morris USA, que continua sendo uma subsidiária da Altria, vende Marlboro e outras marcas nos Estados Unidos. Philip Morris International foi ativado e administra negócios no exterior. Desde a divisão, as ações da Philip Morris International se duplicaram e Altria tem mais que triplicado.

A sede operacional da Philip Morris International está em Lausanne, na Suíça, na rua a partir de um pedaço de ruínas galo-romanas, em um elegante edifício com uma cafeteria, academia e um pátio voltado para o Lago de Genebra. A partir daí, a empresa está trabalhando para enfrentar o tratado.

As comunicações internas da empresa revelam o alcance da operação de Philip Morris durante a reunião do tratado da CMCT em 2014 em Moscou. A empresa criou uma "Sala de Coordenação" que poderia acomodar 42 pessoas, de acordo com a apresentação do PowerPoint de 2014, intitulada "Abordagem e questões de assuntos corporativos".

Conduzindo a operação foi o executivo Chris Koddermann. Anteriormente advogado e lobista no Canadá, Koddermann se juntou a Philip Morris em 2010. Ele é agora diretor de assuntos regulatórios em Lausanne. O PowerPoint descreve o executivo ideal de assuntos corporativos como alguém que é capaz de "jogar o jogo político". Koddermann trabalhou anteriormente para ministros do governo federal e provincial no Canadá, de acordo com o perfil do LinkedIn.

Chegada em seu telefone celular em março, Koddermann disse que não poderia se encontrar e que qualquer dúvida deveria ser dirigida a Philip Morris International.

No final da reunião de Moscou, em 18 de outubro de 2014, Koddermann enviou um e-mail felicitando uma equipe de Philip Morris de 33 pessoas pelo sucesso em medidas de diluição ou bloqueio destinadas a fortalecer os controles de tabaco e reduzir as vendas de cigarros. Os ganhos que ele promoveu no final da conferência de uma semana foram o culminar de um esforço de dois anos, disse seu e-mail.

Os documentos lançam luz sobre um dos principais objetivos da campanha da FCTC de Philip Morris: mantenha o tabaco no âmbito dos acordos comerciais internacionais, para que a empresa tenha uma maneira de montar campanhas legais contra a regulamentação do tabaco.


NERVE CENTER: De sua sede operacional em Lausanne, Philip Morris está trabalhando para enfrentar o tratado antitabaco do mundo. REUTERS / Denis Balibouse
Philip Morris International: fatos e números


• Tem raízes em uma pequena loja de tabaco em Londres em 1847.
• Atualmente opera em mais de 180 mercados.
• Famosa por sua icônica propaganda Marlboro Man.
• Tem seis das 15 principais marcas de cigarros do mundo, incluindo Marlboro, L & M e Chesterfield.
• Saiu do Grupo Altria, com sede em Richmond, Va., em março de 2008.
• A sede operacional está na Suíça.
• Produz mais de 800 bilhões de cigarros por ano.
• O preço da ação mais do que duplicou desde o spin-off de Altria em 2008.

Fontes: site internacional de Philip Morris; Relatório da Reuters

Em Moscou, uma proposta inicialmente exigia a eliminação de tabaco dos pactos comerciais. Os tratados de comércio internacional geralmente incluem disposições, como a proteção de marcas, que Philip Morris usou para desafiar as medidas anti-tabagismo. Se o tabaco fosse retirado dos tratados, como sugerido pela proposta, Philip Morris poderia ser privado de muitos desses argumentos legais.

Um rascunho inicial solicitou que as partes apoiem os esforços para excluir o tabaco dos pactos comerciais e evitar que a indústria "abuse" das regras de comércio e investimento. No final, a proposta foi diluída. A decisão final apenas lembrou as partes da "possibilidade de levar em conta seus objetivos de saúde pública na negociação de acordos de comércio e investimento". Não se mencionou a exclusão do tabaco.

Koddermann, em seu e-mail para colegas no último dia da conferência, declarou vitória, descrevendo a mudança como "um resultado tremendo". Em geral, a empresa alcançou seus "objetivos de campanha relacionados ao comércio", incluindo "evitar uma declaração de saúde sobre o comércio "E" evitando o reconhecimento da FCTC como padrão internacional ", escreveu ele.

A vitória foi significativa. Um ex-funcionário de Philip Morris disse que a empresa usou rotineiramente tratados de comércio para contestar leis de controle de tabaco. O objetivo, disse ele, era "suspeitar os governos de fazer mudanças regulatórias". Mesmo que a indústria do tabaco tenha perdido uma série de grandes batalhas legais, seus processos serviram para desencorajar a implementação de regulamentos que impedem o tabagismo. Esses atrasos podem produzir anos de vendas sem obstáculos.

Como a apresentação do Philip Morris PowerPoint a partir de 2014 colocou: "Os roadblocks são tão importantes quanto as soluções".

Um roadblock foi uma campanha para parar a introdução de regras de 2011 na Austrália, proibindo logotipos e cores distintivas em pacotes de cigarros. O litígio e a arbitragem da empresa contra a medida finalmente foram demitidos - mas não antes de cinco países apresentar reclamações contra a Austrália sobre o mesmo assunto na Organização Mundial do Comércio. O órgão de comércio global ainda não anunciou uma decisão sobre o assunto.

A tentativa de desfazer os regulamentos da Austrália teve um efeito arrepiante em outros lugares. Desacelerou a introdução das regras de embalagem simples na Nova Zelândia. Citando o risco de as empresas de tabaco "montarem desafios legais", o governo anunciou em 2013 que adiava o movimento e esperava "ver o que acontece com os casos legais da Austrália". A legislação está programada para entrar em vigor no próximo ano.

Em seu e-mail da conferência de Moscou, Koddermann também expressou prazer no destino de uma proposta sobre agricultores. A linguagem inicial recomendaria que os países restringissem o apoio aos produtores de tabaco. A proposta foi "significativamente diluída", escreveu ele. "Este é um resultado muito positivo".


GRIM PICTURE: um aviso colocado em um pacote de cigarros na Austrália, que introduziu regras para a barra de logotipos e cores distintivas em embalagens em 2011. A indústria do tabaco desafiou as restrições. REUTERS / Jason Reed
Gustavo Bosio, no momento de um gerente de comércio internacional, falou alguns dias após a conferência em um e-mail : "Estes excelentes resultados são uma conseqüência direta dos esforços notáveis ​​de todas as regiões e mercados do PMI nos últimos dois anos e durante todo o período Semana intensa em Moscou ".

Philip Morris não está sozinho buscando enfraquecer o tratado. Antes da conferência da FCTC de 2012, em Seul, quatro gigantes de cigarro - Philip Morris, British American Tobacco (BAT), Japan Tobacco International e Imperial Brands Plc - formaram um "Grupo de Trabalho da indústria informal" para se opor a várias propostas sobre tributação do tabaco, de acordo com Um documento BAT interno revisado pela Reuters.

O documento de 45 páginas, cuja existência não foi relatada anteriormente, observou que o grupo coordenaria "na medida em que essas questões não suscitam preocupações anti-competitivas". O documento delineou uma campanha global planejada pelo BAT para combater a O FCTC, que estava "indo cada vez mais além" do seu mandato. E listou objetivos, incluindo uma tentativa de bloquear as discussões em torno da introdução de um imposto mínimo de 70% sobre o tabaco.

A BAT não quis responder perguntas sobre o grupo de trabalho da indústria. Tanto Imperial como Japan Tobacco International disseram que não queriam comentar um documento de um concorrente. A Japan Tobacco International disse que seus especialistas em impostos se reuniram com colegas de outras empresas de tabaco para discutir as diretrizes do tratado sobre tributação antes da conferência de 2012. Philip Morris não comentou o documento.

Os e-mails e documentos de Philip Morris não detalham explicitamente como a empresa tirou as vitórias em Moscou. Mas eles fornecem informações sobre a importância que coloca nos delegados da corte.

A FCTC tradicionalmente toma decisões por consenso, e assim influenciar uma única delegação nacional pode ter um impacto extraordinário. O tratado tem uma cláusula fundamental para evitar que a indústria influencie indevidamente as delegações. O artigo 5.3 , como é sabido, diz que as nações devem proteger suas políticas de saúde pública dos interesses do tabaco. As diretrizes que acompanham o Artigo 5.3 recomendam que os países interajam com a indústria somente quando "estritamente necessário".

Mas o artigo - uma única frase - contém uma lacuna que Philip Morris explorou. A sentença termina com as palavras "de acordo com a lei nacional", abrindo a porta aos argumentos das forças pró-tabaco que qualquer lobbying legal em um determinado país é permitido ao interagir com os representantes desse país. Eles também argumentam que uma frase em um documento relacionado, as diretrizes para o Artigo 5.3, permite que essas interações ocorram, desde que sejam realizadas de forma transparente.

Estratégia de lobby

Os documentos da Philip Morris International descobertos pela Reuters incluem diretrizes e planos de lobbying específicos para país, visando coagular o tratado global de controle de tabaco da OMS e medidas nacionais contra o tabagismo. As estratégias incluem:
• Lobbying legisladores, burocratas e outros funcionários do governo
• Tentando afastar os problemas de tabaco dos departamentos de saúde
• Implantar terceiros, incluindo grupos de varejo, para fazer sua causa e exercer pressão sobre os decisores
• Envolver os meios de comunicação sobre questões de tabaco e Gerando debate público para influenciar os decisores

As guias abaixo mostram a estratégia da empresa em ação em três países nos últimos anos, de acordo com documentos internos da empresa. A medida em que as ações de Philip Morris afetaram o resultado em cada caso não são claras.

ISRAELSUÉCIAJAPÃO

Em setembro de 2011, o Ministério da Saúde de Israel propôs novas medidas para regular o sabor e a publicidade dos produtos do tabaco. Em um documento preliminar de estratégia da empresa a partir de outubro de 2011, Philip Morris disse que as propostas incluíam "algumas medidas excessivas e desproporcionais", como restringir o uso de aromas de frutas ou chocolate em produtos de tabaco e proibir amplamente a propaganda e comercialização de tabaco. Elementos da campanha:
1: alavancar relacionamentos estabelecidos com diferentes ministérios governamentais, mobilizar varejistas para advogar contra provisões "excessivas" e pressionar o ministério da saúde.
2: Lobby do governo através de terceiros, como um fornecedor de alcaçuz baseado em Israel.
3: use o banco de dados Philip Morris de mais de 60,

RESULTADO: as proibições de publicidade e ingredientes não passaram.

Um dos objetivos da empresa foi o Vietnã.

No dia em que a reunião de Moscou terminou, Koddermann recebeu um e-mail de seu colega Nguyen Thanh Ky, um dos principais executivos de assuntos corporativos para o Vietnã. Ky disse que teve um "almoço de debate" com a delegação vietnamita e teve um bom resultado para informar: A delegação foi a favor de "medidas moderadas e razoáveis" para serem implementadas ao longo de uma "linha de tempo prática", escreveu ele. Ele não especificou quais as medidas que discutiram.

A delegação vietnamita falou frequentemente durante a reunião de Moscou. Uma revisão de notas compiladas por grupos de controle de tabaco acreditados como observadores mostrou que as interjeições do Vietnã freqüentemente refletiam as posições de Philip Morris sobre regulamentos de controle de tabaco. Assim como o gigante do tabaco, os vietnamitas disseram que um imposto mais elevado sobre os cigarros levaria a mais vendas ilícitas. Como Philip Morris, eles disseram que a CMCT deve ficar fora das disputas comerciais. E, como Philip Morris, opuseram propostas para estabelecer parâmetros uniformes para a responsabilidade legal das empresas de tabaco.

As diretrizes da FCTC sobre tributação, em última instância, incluíram uma recomendação da OMS para um imposto mínimo de 70% - algo que Philip Morris se opôs. Mas a proposta de dar ao tratado mais influência sobre as disputas comerciais foi enfraquecida e as medidas para fortalecer a responsabilidade legal das empresas de cigarros foram adiadas.

O Ministério das Relações Exteriores do Vietnã não respondeu às perguntas da Reuters.

REUTERS INVESTIGA


Mais investigações da Reuters e narrativas de longa data
Assim que a conferência terminou, os documentos mostram, Philip Morris voltou para o próximo: a reunião de 2016 na Índia.

A apresentação em 2014 do PowerPoint delineou a necessidade de identificar maneiras de reunir informações durante a conferência de Deli. Em um documento de planejamento separado de 2015, a empresa fala sobre o arranjo dos protestos dos fazendeiros no período anterior à reunião. Tais protestos ocorreram - incluindo um na frente dos escritórios da OMS em Nova Deli. A Reuters não conseguiu determinar se Philip Morris estava por trás dessas manifestações.

Enquanto outras grandes empresas de tabaco também enviaram pessoas para Deli em novembro, Philip Morris se distinguiu pelo sigilo. Executivos da empresa não se inscreveram com seus colegas da indústria do tabaco no centro de convenções do FCTC e ficaram em um hotel a cerca de uma hora de carro.

O anonimato e a distância ajudaram Philip Morris a se aproximar secretamente dos delegados. No segundo dia da conferência, uma camionete Toyota branca afastou-se da frente do hotel Hyatt Regency - onde Philip Morris teve seu quarto de operações - e dirigiu-se para o local do tratado da FCTC. A van estava carregando Ky, seu executivo de assuntos corporativos do Vietnã.


REUNIÃO OFFSITE: durante a conferência de tratados nos arredores de Nova Deli no ano passado, um representante de Philip Morris se encontrou em particular com um membro da delegação vietnamita, Nguyen Vinh Quoc. Na primeira foto (da esquerda para a direita), Quoc pode ser visto emergindo de uma sessão na conferência de tratados em 8 de novembro. Na segunda foto, uma van que saiu de um hotel de Delhi que leva um representante de Philip Morris cabe ao centro de convenções. Na terceira foto, Quoc pode ser visto saindo dos momentos do centro de convenções antes de entrar na van. REUTERS / Duff Wilson; Tom Lasseter
O motorista de Ky percorreu o caminho da polícia na barricada fora do centro de conferências, onde as credenciais emitidas pela FCTC foram verificadas, explicando que ele estava dirigindo "VIPs", o motorista disse mais tarde à Reuters.

Poucos minutos depois, um homem com um terno escuro saiu do centro de conferências, passou pela van e parou em uma esquina. A van fez uma reviravolta, e um repórter da Reuters viu o homem do terno subir rapidamente. Ele era um membro sênior da delegação do Vietnã na conferência da FCTC: Nguyen Vinh Quoc, um funcionário do governo vietnamita.

O motorista, Kishore Kumar, disse em uma entrevista que deixou cair os dois homens em um hotel local. Kumar disse que, em várias outras ocasiões naquela semana, ele pegou Ky para pegar pessoas do Hotel Formule1, um alojamento econômico onde a delegação do Vietnã estava hospedada durante a conferência.

Ky e Quoc não responderam aos pedidos de comentários.

Perguntado pela Reuters sobre a interação entre Ky e os representantes do Vietnã, Andrew Andrew, executivo da Philip Morris, bateu na mesa em um bar do hotel, onde os representantes da empresa ficaram. A Reuters deve se concentrar, segundo ele, nos esforços da indústria para desenvolver os chamados produtos de risco reduzido - aqueles que fornecem nicotina sem a queima de tabaco e que a empresa diz que reduzem os danos.

Quando pressionado sobre as reuniões com o Vietnã, Cave bateu novamente a mesa: "Estou com raiva de você se concentrar nisso, ao invés de questões reais que importam para pessoas reais".


FORA DE VISTA: executivos de tabaco de empresas, incluindo British American Tobacco e Japan Tobacco International, estão entre um grupo de pessoas que estão perto da entrada da conferência da FCTC nos arredores de Nova Deli em novembro passado. Os executivos de Philip Morris ficaram afastados. REUTERS / Paritosh Bansal
Em um email subseqüente, Cave disse: "Representantes da Philip Morris International se encontraram com delegados do Vietnã" durante a conferência de Deli "para discutir questões políticas e isso obedeceu plenamente aos procedimentos internos do PMI e às leis e regulamentos do Vietnã".

Os delegados, disse Cave em entrevistas separadas, relutam em se encontrar abertamente com Philip Morris porque temem ser "nomeados e envergonhados" por grupos anti-tabagismo.

Alguns delegados questionaram a medida em que Philip Morris moldou as decisões tomadas na conferência de Moscou, dizendo que os participantes genuinamente discordaram de certas questões. Nuntavarn Vichit-Vadakan, um delegado tailandês, supervisionou muitas discussões como presidente de um comitê da FCTC na conferência de Moscou. Ela disse que os delegados diferiram sobre a regulamentação dos cigarros eletrônicos, por exemplo, e qualquer pressão sobre a empresa realizada não determinaria o resultado.

Os documentos Philip Morris deixam perguntas sem resposta. Em alguns casos, os documentos mostram os planos da incubadora da empresa para mudar um regulamento contra o tabagismo ou para monitorar ativistas, mas nem sempre deixa claro até que ponto ou como os planos foram executados, se for o caso. A apresentação do PowerPoint de 2014 pediu "alcançar o escrutínio" dos defensores do controle do tabagismo e disse que uma "equipe de projeto global" havia sido estabelecida para esse fim. Não listou o que seria usado.

Em alguns casos, o lobby da Philip Morris falhou claramente. Em julho de 2015, o parlamento ugandense aprovou novas leis antitabaco inspiradas pelo tratado. Tudo o que era necessário era a assinatura do presidente Yoweri Museveni, e a pequena nação africana se tornaria uma líder no continente na implementação de uma interpretação rigorosa da FCTC.

Philip Morris enviou um executivo, um homem branco mais jovem, para dizer ao presidente septuagenário, que há muito tempo ajudou a derrubar o ditador Idi Amin, por que o ato de tabaco era uma má idéia. Sheila Ndyanabangi, principal funcionária da saúde de Uganda para problemas de tabaco que esteve presente na reunião, descreveu a abordagem do executivo como palestras do estadista.

"Ele disse:" tabaco ugandense será muito caro "e" não será competitivo ", disse Ndyanabangi. Sua conta foi confirmada por um alto funcionário do governo ugandês que também estava presente.


0:00
/ 0:45

 

A chefe da FCTC, Vera Luiza da Costa e Silva, diz que existe um "perigo real" da indústria do tabaco influenciar as deliberações dos tratados.
Museveni olhou um momento para o executivo de Philip Morris e um representante de um grande comprador de tabaco que tinha vindo com ele. O presidente então declarou: "A escravidão terminou há muito tempo." Houve um longo silêncio na sala, lembrou Ndyanabangi. Museveni disse que o Uganda não precisava de tabaco, e a reunião terminou. O presidente assinou o projeto de lei em setembro.

O escritório da Museveni não respondeu aos pedidos de comentários.

Ao longo do tempo, no entanto, o lobby da indústria diminuiu o progresso do tratado. Nas conferências bienais, as discussões mudaram. Em Moscou, por exemplo, havia um forte foco no comércio e nos impostos. "Você pode ver do chão que as intervenções foram muito, muito, muito focadas nos aspectos comerciais, muitas vezes até colocando o comércio sobre a saúde", disse a Costa Rica da FCTC em uma entrevista no ano passado.

A composição das delegações da CQCT enviadas pelos governos mudou para incluir mais membros que não estão envolvidos na política de saúde. Isso está de acordo com o que Philip Morris e outras companhias de tabaco querem: Philip Morris, bem como o British American Tobacco, procurou afastar o equilíbrio dos membros das autoridades de saúde pública e dirigir-se a ministérios como finanças e comércio. Tais agências, disse o ex-executivo de Philip Morris, se beneficiam das receitas fiscais do tabaco e atribuem menos peso às preocupações com a saúde.

"O departamento de saúde só quer que o tabaco seja banido, enquanto que para o ministério das finanças é mais como como alavancar ou obter o máximo de dinheiro possível", disse ele.

O objetivo dos esforços de Philip Morris, de acordo com o PowerPoint de 2014 sobre assuntos corporativos, é "afastar os assuntos do tabaco" dos ministérios da saúde e demonstrar que há interesses públicos mais amplos em jogo - que "não se trata de tabaco".

Cave, o executivo de assuntos corporativos de Philip Morris, confirmou que a empresa tenta persuadir os governos a mudar a composição das delegações. Funcionários da saúde, disse ele, não estão equipados para lidar com as complexidades de questões como a tributação.

"Você está olhando para o comércio ilícito, você está olhando para regimes fiscais, você está olhando o direito internacional", disse ele. "Agora, cada uma dessas áreas, é lógico, se você quiser realmente enfrentar o comércio e o tráfico de tabaco, comércio ilícito, para quem você iria? Você não iria ao Ministério da Saúde. "


AGRICULTORES DE TABACO: um trabalhador tende a uma cultura de tabaco na comunidade agrícola de Beatrice, no Zimbabwe. Na reunião do tratado em Moscou em 2014, uma proposta que pedia que os países limitassem o apoio aos produtores de tabaco ficou enfraquecida. "Este é um resultado muito positivo", escreveu Chris Koddermann, um executivo de Philip Morris, em um e-mail. REUTERS / Philimon Bulawayo
"Estou com raiva de que você está se concentrando nisso, ao invés de questões reais que importam para pessoas reais".
Andrew Cave, executivo de Philip Morris, quando perguntado sobre a interação da empresa com os delegados do FCTC
A Reuters analisou as listas dos quase 3.500 membros da delegação credenciados que participaram das sete conferências do FCTC desde 2006. A análise descobriu que havia mais de seis delegados de saúde para todos os delegados relacionados a finanças em 2006. Em Delhi, no ano passado, essa proporção havia caído Para pouco mais de três delegados de saúde para cada delegado de finanças. O número de delegados das áreas de finanças, agricultura e comércio passou de algumas dúzias em 2006 para mais de 100 nos últimos anos.

A delegação do Vietnã, por exemplo, mudou marcadamente. Na primeira conferência do FCTC em 2006, nenhum dos seus quatro delegados era de ministérios de finanças ou comércio. Em 2014, em Moscou, havia 13 delegados, com pelo menos quatro de ministérios relacionados a finanças, incluindo o delegado em chefe. O Ministério das Relações Exteriores do Vietnã não respondeu a perguntas sobre a delegação.

Da Costa e Silva não se opõe a ter delegados de ministérios do comércio, mas ela diz que seu principal foco deve ser sobre a saúde. E estava preocupada com a composição da delegação vietnamita. Em uma carta ao primeiro ministro vietnamita no final de 2015, ela pediu que os funcionários da indústria do tabaco fossem excluídos da delegação. Se eles não fossem, ela escreveu, o Vietnã pode ser "incapaz de participar plenamente nas discussões".

Em 2016, o Vietnã trouxe 11 delegados para a conferência, dos quais seis eram de agências de saúde, incluindo o representante principal.

Alguns ativistas do controle do tabaco que participaram da reunião de Nova Deli em novembro dizem que foi o pior até agora em termos de aprovação de novas disposições antitabagismo.

Matthew Myers, que lidera a campanha para crianças sem tabaco, disse que vários países vieram preparados para bloquear conscientemente a ação. Ele disse que ouviu delegados fazendo argumentos "Não ouvi em 25 anos".

Um delegado nigeriano, por exemplo, pediu para remover uma referência à "epidemia de tabaco" de um projeto de proposta sobre responsabilidade por danos causados ​​pelo tabaco, de acordo com notas tomadas por grupos anti-tabagismo.

Perguntado para comentar, Christiana Ukoli, chefe da delegação em Deli, disse que a "delegação nigeriana se dissocia fortemente dessa afirmação".

A conferência de Deli terminou quando começou, com os funcionários da Secretaria do Tratado não sabendo onde Philip Morris foi ou o que tinha feito. A empresa tinha voado em uma equipe de executivos, usou um esquadrão de furgões idênticos para transportar funcionários em Nova Deli, e depois deixou a cidade sem deixar rasto.

Diluir

Poucos dias após a conferência da FCTC em Moscou ter terminado em outubro de 2014, o executivo de Philip Morris, Gustavo Bosio, enviou um e-mail aos colegas, destacando o que ele disse que foi o sucesso da empresa em reverter três propostas de tratados relacionadas a questões comerciais. "Esses excelentes resultados são uma consequência direta dos esforços notáveis ​​de todas as regiões e mercados do PMI nos últimos dois anos e durante a intensa semana em Moscou", escreveu Bosio, então gerente de comércio internacional. As duas primeiras colunas em cada guia abaixo mostram a proposta inicial e o resultado final, e são de uma análise que Bosio anexou ao seu e-mail. A terceira coluna contém extratos de seu e-mail explicando o que aconteceu em cada caso.

 
ACT | Aliança de Controle do Tabagismo
Rua Batataes, 602, cj 31, CEP 01423-010, São Paulo, SP | Tel/fax 11 3284-7778, 2548-5979
Av. N. Sa. Copacabana, 330/404, CEP 22020-001, Rio de Janeiro, RJ | Tel/fax 21 2255-0520, 2255-0630
actbr.org.br | act@actbr.org.br
FW2